Drácula: A História Nunca Contada (Dracula Untold)

Crítica originalmente publicada na PlayTV em 22/10/14

http://www.playtv.com.br/cinema/artigo/critica/dracula-untold


Luke Evans – o arqueiro Bard na trilogia de O Hobbit – intepreta o príncipe Vlad e tem êxito nesse filme que possui uma proposta ousada, a de reimaginar (novamente) o mito de Drácula nos cinemas. A história e as referências tanto para personagens da literatura como de jogos servem ao propósito de criar um universo interessante.

As semelhanças com a franquia de games Castlevania não são poucas, como o “símbolo” do Drácula ser um dragão, inimigos com armaduras brilhantes ou ainda sequências de ação do protagonista contra um exército. Caso já tenha jogado o primeiro Lords of Shadow, muito provavelmente não irá se surpreender com partes desta produção, principalmente seu desfecho; se desconhecer a obra, esse filme pode ter um impacto maior em você.

A história gira em torno de Vlad, um jovem governante do século XV que foi entregue por seu pai aos turcos ainda menino para se juntar ao exército em expansão do sultão. O tempo passou, o príncipe voltou à sua terra de origem e fez uma promessa para sua mulher que suas terras não seriam acometidas pelo mesmo mal que ele foi obrigado a enfrentar.

Após voltar de seu exílio, o príncipe aproveita o tempo com sua família, em seu castelo de luxo até que uma nova ameaça se apresenta. Vlad decide seguir por um caminho sombrio com a “desculpa” de se sacrificar pelo bem maior.

A ressalva para essa produção está no fato dos personagens secundários serem mal aproveitados e não convencerem durante o tempo em cena. O ponto alto do filme está no segundo encontro entre Luke Evans e Charles Dance (Tywin Lannister em Game of Thrones) quando o Drácula, como nós o conhecemos, nasce.

A palavra game (jogo em inglês) é usada mais de três vezes nos diálogos entre Evans e Dance e cada vez que esse termo era vocalizado, eu senti que ele não foi escolhido ao acaso. Principalmente porque as circunstâncias que o personagem de Dance se encontra quando a profere pela última vez não deixam dúvidas da referência que fazem para o jogo Castlevania: Lords of Shadow.

Drácula: A História Nunca Contada é uma evidência de como o cinema consegue utilizar referências de outras mídias, como a de um jogo e não somente livros, para adaptar uma história criando um rico universo em cima de uma proposta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s